Conheça os tipos de crédito rural disponíveis para agricultores

3

A atividade dos produtores rurais depende de uma série de investimentos financeiros que vão desde a compra de insumos e equipamentos até a manutenção de maquinário, funcionários e despesas relacionadas à lavoura e cultivo. Para muitos produtores, a expansão da produção e o crescimento dos negócios também estão condicionados a reportes financeiros constantes. E como o retorno dos ciclos produtivos destes agroinvestidores nem sempre é imediato, muitos deles apostam no crédito rural como opção para garantir o custeio de suas atividades de rotina, a comercialização de seus produtos e, claro, os investimentos para expansão dos negócios na propriedade rural.

E você, conhece os tipos de crédito rural possíveis para agricultores? Veja neste post quais são eles.

Créditos rural de custeio

De acordo com o Ministério da Agricultura, o crédito rural de custeio agrícola é destinado para a cobertura das despesas relacionadas aos diversos ciclos produtivos do agroinvestidor. Como o próprio nome diz, é um tipo de crédito concedido para custeio das atividades que envolvem a produção rural.

Assim, ele pode ser usado para a compra de insumos para lavouras periódicas, permanentes ou na entressafra; nos processos de beneficiamento primário para produção e também para seu armazenamento (tanto no estabelecimento rural quanto em cooperativas), para cobrir custos relacionados à colheita e extração e também nos processos de industrialização de produtos agropecuários. Trato de culturas diversas, colheitas, replantios, aquisição de animais para suinocultura e insumos para o trato agropecuário são outros exemplos de despesas cobertas pelo crédito rural de custeio agrícola.

Créditos de investimento

O crédito rural de investimento é um tipo de financiamento voltado para o crescimento da produção e aumento da competitividade do produtor rural. Neste caso, a verba seria destinada a investimentos fixos como reformas, construções e benfeitorias nas instalações; compra de maquinário e equipamentos diversos (de duração superior a 5 anos); obras de irrigação, drenagem e telefonia rural;  formação de lavouras;  proteção e recuperação de solo, entre outros.

Despesas consideradas “semifixas”, como aquisição de animais; compra de equipamentos e máquinas de duração inferior a 5 anos; aquisição de veículos, tratores, colheitadeiras e equipamentos para medição de lavouras também podem ser custeados com esse tipo de financiamento.

Créditos de comercialização

O crédito rural de comercialização tem como objetivo garantir ao produtor rural e às cooperativas de produtores todos os recursos e condições que garantam a satisfatória comercialização dos seus produtos no mercado.

Esse tipo de crédito pode ser usado pelas cooperativas rurais para adiantamentos aos associados que destinaram produtos para a comercialização; nos processos de armazenamento e estocagem posteriores à colheita; para garantia de preços (mesmo em períodos de baixa) ao produtor e também nos processos considerados “pré-comercialização”. Entre eles, destacam-se despesas referentes à fase imediata da colheita e também para garantir a venda sem prejuízos aos interesses do produtor.

Nos três casos, a solicitação do crédito rural deve ser feita junto às instituições financeiras – como bancos e cooperativas de crédito – normatizadas pelo Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR).

É importante lembrar que esse tipo de solicitação precisa ser formalizada através de projetos e orçamentos cuidadosamente elaborados. A conquista do crédito rural envolve também a oferta de garantias que são definidas junto à instituição fornecedora. Elas variam entre alienação fiduciária, penhor, hipotecas, fianças ou seguros, dependendo da instituição e em conformidade com as regras do Conselho Monetário Nacional. Os juros e encargos relacionados a este tipo de financiamento também variam conforme a instituição fornecedora e seus planos de crédito rural.

E você, já utiliza algum tipo de crédito rural para fomentar ou expandir a sua propriedade rual? Quais as grandes dificuldades encaradas nesse processo: Conte para a gente no espaço para comentários abaixo!

 

Compartilhe